Governo trabalha com cenário de ligeira alta na Selic

No Palácio do Planalto já se trabalha com a "alta mínima" na taxa de juros Selic, que deve ser anunciada nesta quarta-feira (20) pelo Banco Central.

A presidente Dilma Rousseff chegou a ser alertada de que, apesar dessa tendência, a ligeira alta não é consenso entre os diretores do Banco Central e a nova previsão de queda de 3,5% do PIB pode pesar na decisão pela manutenção da taxa de juros no nível atual.Mesmo assim, há reconhecimento de interlocutores da presidente de que uma pequena alta neste momento, de 0,25%, seria importante para sinalizar compromisso do Banco Central no esforço para controlar a inflação.

Integrantes do governo avaliam que isso teria impacto piscológico de que o BC agirá no compromisso de diminuir a inflação. De todo jeito, no PT, há forte resistência a um aumento na taxa de juros, por receio de ampliação do quadro recessivo, num momento de queda acentuada no crescimento do país.

A expectativa pelo mercado até ontem era de aumento de juros para 14,75%. Mas a nota divulgada pelo presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, sobre a taxa básica de juros gerou uma forte reação do mercado.

Numa referência direta a revisão da queda do PIB brasileiro pelo FMI, Tombini afirmou que as revisões foram "significativas", e que "todas as informações econômicas relevantes e disponíveis até a reunião do Copom são consideradas nas decisões do colegiado."

O movimento incomum do presidente do BC foi interpretado pelo mercado de que o aumento da taxa de juros deve ser menor do que 0,5 ponto percentual previsto anteriormente.

Por Gerson Camarotti
Fonte: G1

Consultta.com

Todos os direitos reservados.